Archive for Setembro, 2010

Por que Lady Jesus?

Acho que me precipitei um pouco ao criar um blog chamado “Lady Jesus” e não dar uma explicação no mínimo razoável para o nome que escolhi. E é melhor eu agir rápido, antes que comecem a achar que foi uma referência à Lady Gaga, minha cantora favorita – #not – ou que eu sou alguma testemunha de Jeová em busca de fieis.

Lady Jesus é uma música do The Asteroids Galaxy Tour, uma banda dinamarquesa que eu descobri faz pouco tempo. O som deles é empolgante demais, do tipo que, pelo menos pra mim, chega a ser arriscado colocar no iPod e sair na rua. Depois de alguns segundos eu provavelmente estarei dançando o moonwalk e cantando freneticamente, tentando imitar a voz irritantemente desleixada e linda da Mette. Se interessar a alguém, vale a pena ouvir The sun ain’t shining no more, Push the envelope, Around the Bend, The golden age, Satellite, todas muito gostosas e bem agitadinhas.

Mas vamos à história do nome do blog. Minha ideia inicial era “Pirando na batatinha” (meu apelido é Batata) mas, por incrível que pareça, esse nome tosco já existia. Então, tentei “Young folks”, que é o nome de uma das minhas músicas preferidas da vida toda. Já existia também. Tentei, chutando baixo, uns dez nomes e todos eles já existiam. Então fui apelar para o iTunes. Fui direto nessa banda, pensei em “Bad fever” e, que surpresa, já existia um blog com esse nome. E então, eu vi: “Lady Jesus”. Nunca tinha parado para prestar atenção na letra, fui olhar, li um pouco da história da música e gostei. Pronto. Não tinha nenhum blog com esse nome.

Muito bem, blog criado, fui pesquisar mais sobre a música, para que o nome do blog soasse como uma ideia genial quando eu explicasse para alguém (eu assumo que fui vencida pelo cansaço e que se o primeiro nome liberado no wordpress.com tivesse sido “Rainha dos Baixinhos”, eu não me importaria muito).

Enfim, pesquisei e aí veio a surpresa: Lady Jesus é uma música sobre algo que eu conheço! Algo que eu, mesmo que tenha sido só um pouquinho, vivi.

A história é a seguinte: Ungdomshuset (Ungdom = jovem; huset = casa) foi um local, em Copenhagen, Dinamarca, que, de 1982 a 2007, foi um espaço para os jovens artistas e simpatizantes da cidade se encontrarem para fazer e falar sobre música, política, teatro, entre outros assuntos da cena underground, além de servir de espaço free para eles usarem drogas e viverem toda a loucura que um jovem pode querer. Eles se autodenominavam “aqueles que ninguém quer ter por perto” e o casarão chegava a receber mais de 500 visitantes por semana. Era propriedade do governo que, muitas vezes, por motivo de má manutenção da casa, quis fechá-la ou mesmo derrubá-la. Em 2001, o prédio foi vendido para uma mulher.

Os jovens resistiram até 2007. Mensagens como “Troublemakers of the World, we bid you Welcome!” (algo como “Encrenqueiros de todo o mundo, nós mandamos as boas-vindas!”) eram enviadas a várias comunidades autônomas do mundo para que viessem ajudar na luta para deixar o casarão de pé, e mesmo com toda a resistência (que durou meses), chegando até mesmo a se trancarem dentro da casa para que ela não fosse demolida, os ativistas não venceram a polícia.

Ungdomshuset sendo demolida em 5 de março de 2007

Assim como a Christiania (onde todos podem voar…), uma cidade livre, autônoma e independente das autoridades do país dentro de Copenhagen, a Ungdomshuset era um lugar onde o espírito de comunidade era o principal lema de vida das pessoas. Ao sair da Christiania, vemos a inscrição “You’re now entering the UE”. Quer maneira mais sutil de falar “Somos hippies socialistas!” que essa?

Saindo da Christiania...

Mas voltando ao foco do post… aonde eu entro nisso? Eu estive em Copenhagen em 2007. Depois de ter acompanhado pela televisão como foi a luta dos jovens contra a polícia, a demolição do Folkets Hus (“Casa do povo”, nome original do Ungdomshuset) e a tristeza da população, pude ver a área limpa, sem nenhum vestígio do que um dia aquele casarão tinha representado para várias gerações. A casa da Mari, intercambista que me hospedou em Cope (apelido carinhoso que a gente dava pra bela Copenhagen), ficava no mesmo bairro da Ungdomshuset. Ela me levou lá e eu, turista que era (e sou), claro, tirei fotos do sonho demolido. E aí está:

Adolescente gordinha no que sobrou da Ungdomshuset

Ok, e quando chegamos ao Lady Jesus? O porquê da música? Lady Jesus foi o apelido que os jovens que o frequentavam  deram para a mulher que comprou o casarão. Os compositores das música, Mette e Lars, do Asteroids, moravam no bairro da Ungdomshuset e estavam sempre por lá. Na música, eles narram a história desta mulher, uma líder religiosa, que, ao chegar ao bairro, e comprar a propriedade, destruiu a alma deste local cheio de artistas, causando um dos maiores conflitos entre o povo e a polícia que ocorreram na história recente da Dinamarca.
Minha referência não é à Lady Jesus, mas sim a este lugar, a Folkets Hus, onde as pessoas eram livres, faziam música, faziam amigos, eram felizes… Acho que o meu blog, para ser como eu quero, precisa ser um tipo de Ungdomshuset também.
Troublemakers of the world, I bid you Welcome!
Anúncios